A comunhão musical de Toninho Ferragutti e Marco Pereira

 
O violão e o acordeão talvez sejam os instrumentos mais populares do Brasil. Ao longo de nossa história musical, foram marcantes na formação de gêneros e estilos, e ainda hoje continuam presentes de Norte a Sul do país. Marco Pereira e Toninho Ferragutti, dois dos principais representantes desses instrumentos, agora se unem para provar que, em dueto, o pinho e o fole permitem uma rica experiência artística. O resultado desse encontro está no CD Comum de Dois, lançado com o selo da gravadora Borandá. 
 
Imagem
 
 
O projeto teve início em janeiro de 2013, quando os músicos foram convidados para participar da 31ª Oficina de Música de Curitiba. O curador do evento, Sérgio Albach, sugeriu que a dupla realizasse um concerto. A proposta acabou recolocando no palco amigos que há anos não tocavam juntos. No começo dos anos 1990, em São Paulo, Pereira e Ferragutti chegaram a formar um trio que tinha Swami Jr. no contrabaixo, porém o grupo se desfez logo depois que o violonista se mudou para o Rio de Janeiro.
 
A escolha do repertório foi feita em parceria, numa seleção que valoriza os temas autorais. “Eu adaptei as músicas dele para meu instrumento e vice-versa”, conta Ferragutti. As únicas exceções são Caymmi x Nazareth (com releituras de Dorival Caymmi e Ernesto Nazareth) e Mulher Rendeira(Zé do Norte), que já possuíam arranjos previamente escritos por Marco Pereira. O violonista aparece como autor de três músicas – Amigo Léo, Flor das águas Bate-coxa –, enquanto o acordeonista assina outras quatro: Flamenta, Victoria, Nova e Sanfonema. “Nós temos uma identidade musical parecida. O Toninho foi muito feliz na hora de batizar o disco. Cada um traz uma bagagem própria mas, na hora em que tocamos juntos, tiramos da mala aquilo que é comum dos dois”, comenta Pereira.
 
Empolgados com o espetáculo de estreia, no Teatro da Reitoria da Universidade Federal do Paraná, os músicos deram continuidade ao trabalho numa série de concertos realizados no interior de São Paulo e na capital paulista. A receptividade das plateias surpreendeu os artistas por dois motivos.“Em primeiro lugar, porque apenas duas músicas do repertório são mais conhecidas do grande público. Em segundo, porque, embora façamos música popular, utilizamos muitos fundamentos da linguagem erudita”, afirma o acordeonista.
 
A pequena turnê serviu como preparativo para a gravação do disco, que foi produzido a partir de recursos do Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo (Proac). “Se a execução de Marco integra a mão direita de Baden Powell (1937-2000) à improvisação nervosa do bebop, Toninho parece somar as tradições sulistas e nordestinas do acordeão ao cool jazz de Miles Davis (1926-1991)”, escreveu o violonista e crítico Sidney Molina, na Folha de S.Paulo, após concerto do duo na Sala do Conservatório, em São Paulo.
 
 
O violão e o acordeão são instrumentos completos – além de serem melódicos e harmônicos, possibilitam desenhos rítmicos bem variados. “O acordeão tem aquele resfolego marcante do fole, enquanto o violão traz uma força percussiva no jeito de tocar”, define Pereira. Ao mesmo tempo, possuem características distintas que exigem dos músicos um cuidado especial para que o dueto seja bem sucedido. A intensidade sonora da sanfona, por exemplo, é muito maior que a do violão, mesmo quando este vem amplificado. Portanto, a busca pela dinâmica correta é tão importante quanto a fluência do andamento.
 
São esses desafios que deixam o diálogo musical ainda mais interessante. “Gosto muito do desenho rítmico que um prepara para o outro”, diz o acordeonista. É um dueto que permite a construção de uma harmonia densa com muitos contornos melódicos. “Unimos a linguagem da música erudita europeia, a improvisação do jazz e a articulação rítmico-melódica da música popular brasileira”, esclarece o violonista.
 
Na definição do maestro Gil Jardim, “Pereira e Ferragutti são magos que colocam o violão, o acordeão e a alma a serviço das ideias musicais, das cores e matizes sem fronteiras, seja na música grafada ou no calor da música improvisada”.
 
(Release escrito para a gravadora Borandá)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s